jump to navigation

O cordel que Gil leu 30 março, 2006

Posted by Fabio Malini in TV Digital.
8 comments

Segue o cordel que o Ministro da Cultura, Gilberto Gil, leu na abertura do ano letivo da Escola de Comunicação da UFRJ. Adorei!

Cordel da TV Digital

Brasileiros atenção
pro que está acontecendo!
O País está vivendo
momento de decisão.
A nossa televisão
tá prestes a ser mudada,
e pode ser melhorada
se o povo se unir
e agindo exigir
TV democratizada.

Eu vou tentar explicar!
O Brasil tem que escolher
qual modelo de TV
deverá ele implantar
para digitalizar
a forma de transmissão
em nossa televisão.
Se escolhermos direito
será o passo perfeito
pra democratização.

É importante saber
que é pública a concessão
de rádio e televisão.
E se é assim por que
só tá na mão de um poder
e não nos braços do povo?
Mas pra nós sobra o estorvo
de não poder se escutar
de não poder se mostrar
porque eles cortam o novo.

Com a TV digital,
em um mesmo equipamento,
haverá recebimento
de um tal multicanal,
pois em um mesmo sinal
caberão quatro canais
que abertos e plurais
serão meios de expressão,
meios de transformação,
das misérias sociais.

Quem Internet não tem,
nem sabe o que é e-mail,
desfrutará desse meio
e outras coisas também,
pois a tal TV contém
tudo isso reunido,
bastando ser escolhido
o modelo ideal
pra inclusão social
do nosso povo oprimido.

É a chance da maioria
poder usar sua voz.
É o momento de nós
na mídia fazer poesia,
resgatar cidadania,
ecoar nossos anseios
gritar nossos aperreios
pro mundo todo escutar
e podermos transmutar
esses gritos em gorjeios.

Produção independente
ganhará devido espaço
e dará o grande passo
de enfim plantar semente
de uma programação decente,
bem mais regionalizada,
bem mais diversificada,
difusora de culturas,
livre de qualquer censura
a nada mais amarrada.

Mas essa realidade
tão sonhada por a gente
depende do presidente
reagir com mais verdade.
E nós, a sociedade,
entrar nessa discussão.
Que é nossa a televisão!
O ar, as ondas, a terra!
E só o que nos emperra
é tanta concentração.

O Governo Federal,
muito mal representado,
tem Ministro de Estado
um empresário boçal.
E a TV digital
importante instrumento
para o desenvolvimento
corre o risco de ficar
como sempre teve e tá
nas mãos de um poder nojento.

O tal ministro citado,
que se chama Hélio Costa,
de fato somente aposta
no monopólio privado,
neste empresariado
que recebeu concessão
de rádio e televisão
e quer se perpetuar
o único a mandar
na nossa programação.

Três modelos são usados
em países estrangeiros.
Falta agora o brasileiro
que já vem sendo estudado,
mas não é incentivado
pelo ministro Hélio Costa
que com uma conversa bosta
'só quer saber da imagem'
e do que trás de vantagem
o comércio de resposta.

Hélio já quer escolher
o modelo do Japão.
E nós, a população,
queremos comprender
por que não desenvolver
um modelo brasileiro
e trocar com o estrangeiro
a nossa experiência?
É preciso paciência
não pode ser tão ligeiro.

Nossa tecnologia
poderá desenvolver
um modelo de TV
que nos dê soberania,
impulsione a economia
pra benefício geral
e a política industrial
tomará um novo impulso,
mas é preciso ter pulso
pro sonho virar real

E a nossa rádio querida
um meio tão genial?
Também vai ser digital,
mas já tá sendo ferida
por decisão desmedida
que em teste colocou
um modelo de cocô
lá dos Estados Unidos
que precisa ser banido
extirpado com ardor.

O tal modelo testado
pelas grandes emissoras
parece uma vasssoura
varrendo o nosso prado
querendo-nos afastados
do espectro radiofônico,
do nosso poder biônico,
de transportar nosso tom
aos ares e a Poseidon,
num ato lírico sônico.

Nossa comunicação
tá é toda atrapalhada
as leis já não valem nada,
é grande a concentração.
Os meios de produção,
são os mesmos que transmitem,
só o que os donos permitem
já que muito é censurado
e a gente fica obrigado
A receber o que emitem

Eles querem capital,
nada mais os interessa,
e vêm com uma conversa
de que querem o bem geral.
Mas só o comercial
de fato os movimenta,
e a gente não mais aguenta
tão grande desigualdade,
tão louca sociedade,
que tanto nos atormenta.

A discussão é política,
técnica e social
e nos é fundamental
uma visão mais holística,
pois não é só estatística
é cultura, educação
e nossa legislação
tem que ser remodelada
pra ficar mais adequada
à nova situação.

É hora de acordar
pois a comunicação
é troca, é interação.
Não dá mais para ficar
da forma como está
nas mãos de uma minoria
que defende a hegemonia
de cruéis monstros Globais
que se mantêm voraz
roubando nossa fatia.

Gente, comunicação
é um direito humano!
Não é somente um cano
de passar informação.
É forma de comunhão,
forma de sobrevivência,
de expressar nossa essência,
de viver com liberdade,
com mais naturalidade
e também mais consciência.

Luciana Rabelo
Fev/2006

Anúncios

Gil manda ver no Helio Costa 30 março, 2006

Posted by Fabio Malini in TV Digital.
3 comments

Ontem o ministro da Cultura, Gilberto Gil, fez duríssimas críticas ao Helio Costa, ao ler um cordel que defendia a implantação da TV digital, mas não o "modelo do ministro", a quem acusou de ser instrumento do capital midiático nacional. O gesto de Gil foi feito na Escola de Comunicação da UFRJ, em aula inaugural da Pós-Gradução (que m… por que eu não fui!!!), e causou reação imediata do ministro.

A atitude de Gilberto Gil acabou criando uma crise com ministro Hélio Costa, que, em entrevista coletiva, retrucou as críticas cantadas pelo ministro da Cultura chamando-o de "Gilberto Vil" e de "cantorzinho-show man", que "não comparece às reuniões do Comitê de Desenvolvimento da TV digital" e "não entende nada do assunto". "Queria ver ele repetir estas palavras na frente da ministra Dilma (Rousseff)", provocou ainda Hélio Costa.(http://telaviva.com.br)

Cada vez mais me convenço que Gil é um dos grandes ministros desse governo, que faz uma revolução na cultura (destinando verba e programas para o andar de baixo), contudo, a mídia e os artistas globais odeiam-no, porque sempre mexe com os interesses deles.

O futuros dos mídias 29 março, 2006

Posted by Fabio Malini in jornalismo.
add a comment

O jornal El Pais, em seu formato digital, publicou um especial sobre o futuro da indústria da informação após as transformações produzidas pela Internet. O material, embora curto, é ótimo. Mostra e indica caminhos para os barões da mídia. Vamos a eles:Sobre o modelo de negócio das empresas de comunicação:

– o futuro dos mídias passar por criar ambientes abertos para que o desejo dos usuários (de produzir suas notícias) seja suprido. Os usuários (leitores) não querem só receber informação, quer criá-las.

– a publicidade vai ter de evitar interferir na notícia (até graficamente).

Sobre as mutações do público:

– a história começa depois da notícia. A notícia é somente um ponto de partida para o debate e reação dos usuários da Web. Assim, a história acontece depois, e não antes (como era antes).

– A audiência é global. Cada vez mais…

– "Toda vez que morre um leitor da imprensa escrita, não é substituído por um outro". Logo, o leitor de impresso está se escasseando, mas vagarosamente. Alguém lembra do telegrama. Não existe mais. Morreu devagarzinho, devagarzinho.

– Uma saída possível: Há um jornal londrino on line que vai abrir uma seção chamada Comment is free. Serão 200 leitores que opinarão sobre assuntos, postar resenhas de livros, críticas de cinemas… É uma ótima: selecione leitores e o transforme em fontes de informação.

Sobre as mutações tecnológicas:

– Os conteúdos precisam ser cada vez mais instantâneos. Por quê? O leitor web só fica 3 minutos em um jornal digital. Logo, tudo precisa ser rápido.

– Ter mais espaços em que haja transmissão wi-fi.

– Se preparar para a TV Digital.

Há ainda opinião de especialistas sobre como a mídia deve sobreviver no espaço liso e contínuo da web. Muito legal. É bom saber como o capital está se organizando.

Sobre o conceito de virtual 27 março, 2006

Posted by Fabio Malini in Sobre o virtual.
1 comment so far

Um pouquinho de reflexão é muito bom. Hoje a aula girou em torno do conceito de virtual, atual, virtualizaão e atualização. São bases fundamentais para se entender o jornalismo em tempos digitais. O tempo foi curto. Avançou-se nos três primeiros conceitos, mas, a turma já muito cansada pedia para respirar um pouco. Fiz muitas remissões a dois livros: Cibercultura e O que é o Virtual?, ambos de Pierre Levy. Vamos a síntese dos debates:- o conceito de virtual: existe como potência, mas não como ato. A semente é potencial árvore, mas não necessariamente ela vai vingar. Logo, a semente é o virtual. É um devir, um poder vir a ser. Na vida cotidiana, construímos o virtual constantemente. Ele povoa a esfera dos nossos desejos. Queremos mudar de vida, mudar de cabelo, mudar de estilo. Imaginamos, definimos metas etc. Mas muitas vezes esse desejo não se concretiza. E existe somente como uma possibilidade (potência). O virtual, portanto, não possui presença.

– o conceito de atual: é oposto do virtual (do possível). Ele sempre possui uma presença, um aqui-agora. É sempre objeto de mudança, originadas pelos desejos e pensamentos virtuais. Agora estou em casa, daqui a pouco não. Eu quis sair de casa e fui a festa. Antes em casa (atual), agora na festa (um outro atual), depois estarei em casa de novo (outro atual). Esse movimento de entrada-saída foi impulsionado por intenções, desejos ou expectativas, que, antes de cada ato, só existia como virtual. O atual, portanto, é sempre renovado pelo virtual.

– o conceito de atualização: é o processo em que o verbo se faz carne. É quando o virtual se concretiza. Sempre quis ser moreno (virtual), mas sou louro (atual). Mas ao tingir o meu cabelo, eu me atualizei. Tornei um outro ente. No fundo no fundo, atualizar-se é sempre renovar-se. É quando um problema (virtual) é substituído por uma solução.

– o conceito de virtualização: é quando o atual se torna fonte de criação de novas virtualidades. É "quando aquilo que é" se torna o alimento "do que não é mas pode vir a ser". Quando digitalizamos uma fotografia, ela perde o seu suporte de presença (o papel), passando a habitar em um computadores, ela se torna uma potência. Um devir. Isto porque – transformada em 0 e 1 – a imagem pode ser completamente alterada: podemos retocá-la, retirar e incluir personagens, graduar a luminosidade, enfim, podemos multiplicar ao infinito as possibilidades de mudança. Por isso que, ao chamarmos uma imagem de virtual, estamos querendo dizer que é uma coisa que agora possui a qualidade de ser infinitas coisas. O que é um site? É um eterno devir. Por isso que o atual na Internet dura frações de segundo. Por que sendo a web um ambiente de virtualização, sua linguagem é da renovação constante. Se repararmos, muitas vezes, acessamos um jornal e no momento da nossa leitura, o sistema automaticamente atualiza as informações. Sai de uma presença fixa.

Comentários, please!!!!

Uso social do Celular 27 março, 2006

Posted by Fabio Malini in Mobilidade.
2 comments

Na Inglaterra, um Conselho Comunitário de Políticas Públicas (sub-prefeitura) deu um uso bastante social aos celulares. Simples: o sujeito viu a sua parede cheia de pichação, ou um carro abandonado, ou a rua cheia de sujeira. Fotografa e manda para o conselho, que providencia a solução. O envio da foto, via celular, é gratuita.

É uma forma inteligente de intervir na cidade e exercer a cidadania. O nome do projeto é Love Lewisham (nome da região).

Dica: site Smart Mobs

Blogs socialistas 27 março, 2006

Posted by Fabio Malini in Blogs.
add a comment

Para quem curte o estilo "a luta continua companheiro" há uma organização na blogosfera que reúne os melhores blogs socialistas. É para quem curte um debate à esquerda sobre os destinos no mundo.

Os caras são tão organizados que esta semana estão produzindo um seminário que reúne os blogueiros esquerdistas para debate o futuro do mundo. São 75 blogueiros espalhados, principalmente, pelo mundo hispânico.

Você é um repórter 27 março, 2006

Posted by Fabio Malini in jornalismo.
1 comment so far

Mais um portal no Brasil lança serviço que estimula a produção de notícias e informações pelos próprios usuários. É o conceito de jornalismo participativo.Agora foi o Portal Terra, que lançou o serviço VcReporter. O usuário envia notícias e fotos, que são checadas pela equipe de redação para depois ser publicadas. Já existia algo parecido no Estadão, o FotoRepórter. Mas era só focado em fotojornalismo.

Lembro de um fala de Ancelmo Gois, jornalista de O Globo, que afirmava que as fotos de sua coluna são praticamente produzidas pelos próprios usuários/leitores, que as enviam por email. É irreversível a tendência do usuário ser um produtor de conteúdo e informação.

O jornalismo participativo (também chamado de cívico ou open source) é considerada o futuro do jornalismo digital. Os blogs fariam parte desse tipo de jornalismo (apesar de blogueiros não aceitarem o rótulo de jornalista).

Ah! O Estadão paga por cada foto publicada.

Tecnologias necessárias para Jornalismo 27 março, 2006

Posted by Fabio Malini in jornalismo.
add a comment

Atenção, alunos e colegas,Não há como ser usuário da internet ou profissional de comunicação sem usar:

– agregador de notícias RSS, Atom etc. A função do agregador é personalizar as suas notícias. Uso o Feedreader. É software livre. É só baixar e começar a localizar sites feeds para se sindicar, tais como: o Uol, Terra, Blue Bus, No Mínimo, Webinsider, entre outros já possuem o serviço de RSS. Todos os blogs frequentemente possuem site feed.

– ter endereços compartilhados no Del.icio.us ou no Blinklist. Só escolher.

– saber que no mundo não há só Google, há também buscador de blogs, como o Technorati.

Cronologia da Internet 26 março, 2006

Posted by Fabio Malini in Comunidade virtual, Sobre o virtual.
add a comment

Um ótimo link é o texto de Paulo Vaz, publicado na revista Lugar Comum nº 13-14. O título se chama Cronologia da Internet. E mostra como a Internet é produto do desenvolvimento tecnológico, de movimentos sociais e acontecimentos políticos. Para citar três inventos fantásticos:- 1969: a Arpanet.

uma linha telefônica exclusiva e adaptada à velocidade requerida pelo sistema permitiu que os modems de 2 computadores remotos pudessem se comunicar diretamente e transmitir dados com a rapidez necessária. O resultado foi a Arpanet. Dois anos depois de ter sido criada, a Arpanet já tinha 23 grandes computadores conectados e interligados, transferindo informações uns para os outros.

– 1970: o ícones.

Para que o usuário de um Alto não tivesse que decorar e digitar milhares de instruções, os cientistas criaram pequenos desenhos que ficavam na tela, através dos quais era possível abrir os programas. Eram os ícones, sem os quais 99% de nós não saberíamos como operar um micro;

– 1968: o mouse

Para abrir ícones, foi usado um pequeno aparelho conectado ao micro. Ao movê-lo, o usuário via um pontinho caminhar na tela, reproduzindo o movimento feito com a mão. Era o mouse, permitindo a manipulação direta. O mouse foi inventado em 1968.

Blogueiros são gatekeepers? 26 março, 2006

Posted by Fabio Malini in Blogs, Sobre o virtual.
add a comment

Não sei não. É claro que podem ser sujeitos que organizam – para a sua audiência de usuários – informações sobre tema especificos. São os chamados blogs clipping. Neles, o blogueiro é um porteiro que deixa ou não passar determinadas informações.Mas acho que os blogueiro são gatekeepers também, mas não somente. É claro que leio vários posts – em blogs semelhantes ao meu- que vejo que não me interessa, mas interessa minha comunidade. Mas não escrevo um blog pensando em "dar informação", mas para "produzir informação". Quero mais interagir com um post do que selá-lo. Não quero ter o comportamento do tipo massivo: "leiam essa informação pois ela é importante para você". E aí dou um selo de qualidade.

O legal de blogar é referenciar e dialogar com o mundo.

O blogueiro também assume a função de crítico, muitas vezes. Precisa analisar um dado fato social e se posicionar. E sempre referenciar aquela sua análise a outras que circulam na blogosfera.

Por exemplo, li que os blogueiro seriam gatekeepers em um post do blog Media Bloggers. E aqui discordei. O legal é isto: ler, criticar e produzir um outro sentido sobre determinado assunto.