jump to navigation

Embraba adere ao blogue corporativo 24 agosto, 2007

Posted by Fabio Malini in Blogs, jornalismo cidadão.
15 comments

Olha aí, a Embrapa lança o AgroBlog. O objetivo é informar sobre o mundo das informações rurais. Como uma instituição com muita credibilidade, a Embrapa assume que pode também noticiar ao mesmo tempo que divulga informações também para a mídia.

Legal!

A cultura da imprensa, por Mcluhan 23 agosto, 2007

Posted by Fabio Malini in imprensa, jornalismo cidadão, macluhan, optativa, Ufes.
4 comments

 

Quem acompanha o blogue sabe que estou a começar um estudo sobre a blogosfera brasileira e as relações com o jornalismo tradicional … e que, do ponto de vista do ensino, ofereço um curso sobre jornalismo-cidadão na Ufes. O intuito? Fazer a aproximação entre o ethos jornalístico com o mundo da publicação amadora para testar os limites dessa nomenclatura “jornalismo” cunhada pelos gurus da internet para dar vida àquilo que publicamos nos youtubes, blogues e wikis da vida.

O curso começou com um debate sobre os sentidos da imprensa para Macluhan (na foto acima). O texto que serve de anteparo para as discussões é o capítulo dedicado à imprensa, do livro Os meios de comunicação como extensões do homem.

Algumas idéias que mostram bem uma démarche macluhaniana sobre a imprensa:

o jornal é uma forma confessional de grupo que induz à participação comunitária.

É a idéia que o canadense possui de que, como dispositivo impresso, o jornal trata de seruma confissão pública dos acontecimento da pólis. Se o livro imprime a confissão de um mundo interior, de um autor, o jornal revela o exterior, e os autores são os jornalistas em interação com a sociedade. Por isso Macluhan vai chamar o jornal de o “livro diário popular”. É por isso também que Mcluhan constata que “boa notícia jornalística é sempre má notícia”, por esta se tratar do mais alto teor de confissão pública (geralmente “de alguém ou sobre alguém”).

Num certo sentido, o jornal então aparece como aquele que organiza coletivamente a estória comunitária. Quando a confissão é positiva não é notícia, é anúncio (é publicidade). Gosto dessa provocação do Mcluhan. Por quê? Porque as técnicas jornalísticas – a principal delas, a entrevista – se caracterizam como um poder confessional. “É preciso arrancar a informação da fonte”, dizem alguns colegas. O ato falho e a frase solta de forma confessa sempre tiveram um alto valor nos círculos jornalísticos. Em alguns casos, é uso maldoso, mas, em outros, pode marcar um momento histórico importante. Como aquela frase do Ricupero dita no impulso, durante uma entrevista jornalística, “o que é bom a gente mostra, o que não é a gente esconde”, ele teria dito. Algo típico da corrida eleitoral de 1994. Mas essa história de poder confessional é tão fácil de constatar. As assessorias de imprensa hoje vivem de levantar as notícias negativas e positivas que saem de seus clientes. Quanto maior é a positividade delas, maior é a publicidade para o cliente, e maior também é a redução de custos com propaganda. É a busca pela mídia espontânea ou pela impressão da notícia boa nos jornais.

A imprensa repete o prazer que temos pelo playback.

Essa frase é sensacional. A imprensa é repetição, porque é cotidiana, é ordinária. Então ela nutre desse estado “de fazer tudo sempre igual”, algo que demarca o cotidiano. É por isso que ninguém se cansa de ler sobre o próximo Fla-Flu, mesmo que o resultado seja previsível: derrota, vitória ou empate.

Tem uma outra coisa de Mcluhan que ajuda explicar o lugar do jornal hoje, principalmente, quando nos debatemos com o furos da internet e seus impactos no mundo de gutemberg. Dizia-nos que o problema do jornal diário é que ele é profundamente determinado pelas fronteiras, daí sua veia a intensificar nacionalismos e regionalismos. O problema é que a internet é o avesso das fronteiras. É global. E o jornal tem um cultura material que é tensionada por essa territorializaçao. Daí que, quando ele migra para o universo eletrônico (online ou radiodifusão), se trasmuta por completo, sofrendo influência do entretenimento, do envolvimento participativo e dos fluxos globais noticiosos.

O Youtube terá, enfim, publicidade 23 agosto, 2007

Posted by Fabio Malini in internet, Video, youtube.
add a comment

Até que enfim o Youtube anuncia que a publicidade estará presente nos seus vídeos. Que grana os caras vão ganhar! Olha o mecanismo que vai fazer funcionar a monetização do site:

  • A los 15 segundos, un aviso aparece en el 20% inferior del video
  • El aviso se anima por 10 segundos, y tiene una opacidad del 80%
  • El aviso luego se cierra automáticamente
  • Un usuario puede clickear sobre un botón, que abre y sobrepone un video del aviso de una duración indefinida

Via:  FayerWayer

Os vídeos na busca do Google 23 agosto, 2007

Posted by Fabio Malini in audiência, google, Video, youtube.
add a comment

Eta! empresa competente, meus Deus! Agora são os vídeos do Youtube que aparecem como primeiras buscas no Google. É a luta pela audiência na internet!

De maneira ambígüa, o Google potencializa com isso a cultura amadora dos vídeos na Internet e gera mais valor para o agora seu Youtube.

Novo FolhaOnline: notícia e entretenimento 23 agosto, 2007

Posted by Fabio Malini in design de notícias, Folha Online, jornalismo.
2 comments

Muita gente deve ter reparado. O FolhaOnline tem novo design. Lá vão minhas Observações (im)pertinentes:

— O destaque – com freqüência os principais colunistas – no alto. Uma ótima solução, embora valoriza a cultura narcísica do jornalista. Mas quem está lá em cima é porque faz por merecer. Ninguém forma opinião mentindo o tempo inteiro, ainda mais na internet. Então gostei. E mostra uma outra coisa: a internet se torna o principal espaço de formação de opinião para as audiências que possuem internet. Quem não tem, a TV ainda tem um papel primordial.

— O conteúdo de entretenimento ganha um puta espaço. Isto aí é uma tendência também no impresso. Fofoca e o mundo das celebridades da TV deixa, na internet, o dedo ficar nervoso em cima do mouse. A questão aí é: e a credibilidade?

— O espaço principal para Fotografia é um retrocesso. A foto fica como na primeira página de um jornal, mas descolada de qualquer perspcetiva editorial. O espaço poderia ter muito mais linguagens digitais da fotografia, como um slideshow, um ensaio fotográfico… Uma boa volta no El País poderia render mais idéias.

— É piada o espaço ganho pela Seção Mais Lida. O povo quer gerar pageviews adoidado. É um retrocesso valorizar isso no lugar do espaço multimídia, é estar na contra-corrente do mercado de internet (os usuário buscam em vídeo já que a expansão da banda larga entre eles já é uma realidade). Mas a questão aí pode ser editorial: não há produção jornalística em vídeo que justifique a ampliação do canal multimídia. Ou ainda a dificuldade de integração das redações dos veículos numa única plataforma, o online. O Clarin já conseguiu se integrar.

Resumo da ópera: a principal diretriz do novo design de notícias da Folha Online foi ampliar o espaço do entretenimento e reduzir o espaço editorial. É simplório isso, mas é fato. Diminuíram a força de um ótimo jornal online.
Mas é aquilo: talvez o jornalismo de portal comece a valorizar o que provoca mais atenção em detrimento da informação, que vai se acumulando na matéria principal e nos blogueiros-colunistas.

Outra coisa: nenhuma aposta na Web 2.0. Nada de participação do leitor, além do reme-reme das enquetes.

Triste!

Negri no Clarin 23 agosto, 2007

Posted by Fabio Malini in américa latina, império, Pensamento Negri, política.
1 comment so far

Uma boa entrevista do Toni Negri dada ao Clarin. No melhor do seu estilo, o filósofo italiano provoca o pensamento de certa esquerda latino-americana, ao afirmar que “está convencido de que o que ocorre na América Latina é a queda de um nacionalismo ligado à concepção de nacional-desenvolvimentismo”.

Para terminar, ao ser perguntado sobre a sua opinião sobre o fechamento da RCTV na Venezuela,  Negri lasca mais essa:

Me parece uma espécie de ataque de raiva mais do que uma política. O grande problema que Chávez ainda deve explicar é como organizar uma democracia da imprensa. É claro que hoje a imprensa venezuelana não é democrática, mas isso também não se consegue com nacionalizações ou estatizações. Há que  se sair dessa separação simples privado-estatal.

O Estadão e os blogues 16 agosto, 2007

Posted by Fabio Malini in Blogs, campanhas, jornalismo, jornalismo cidadão.
1 comment so far

Não está entendendo nada? Então leia sobre, no blogue Pensar Enlouquece, a nova campanha virótica da blogosfera. Agora é contra o Estadão. Tudo por conta de um anúncio do Estado que satiriza o universo bologueiro, mostrando que, quem quer credibilidade, deve buscar o impresso.

Boa Seleção de podcasts 16 agosto, 2007

Posted by Fabio Malini in antropologia da rede, cultura, eventos, internet, ipod, rede.
2 comments

Vale à pena conferir um conjunto de podcasts (da IDG Now) disponibilizado no site do evento Digital Age 2.0. Um deles é o do diretor do Google Brasil, Alexandre Hohagen.

“O online está num momento de mais maturação. A chegada de companhias do Google no Brasil, e agora da Amazon no Brasil, acaba reforçando o mercado online. […] Não há mais grandes campanhas publicitárias que vão ao ar e que não pensam ações na internet. Não há ainda no Brasil um esforço de unidade entre as empresas de internet, como há no caso dos jornais, com a ANJ, e com a televisão, com a Abert. Isto seria importante para reforçar e ampliar o pedaço da torta de investimentos publicitários na internet. [ Alexandre Hohagen, diretor do Google no Brasil]

Um outro podcast bacana é com um etnógrafo da Intel, que analisa as características do brasileiro na internet:

As características do brasileiro na internet é a sociabilidade, é o se encontrar com outro, é o trabalhar em conjunto, é assim que a cultura brasilera começa se expressar no Brasil. O brasileiro reforça a amizade usando a tecnologia. A dificuldade do Ipod ser um sucesso no Brasil é porque ele reforça certas valores culturais que não são os dos brasileiros. No Brasil, tem música ao vivo nos bares. E o Ipod representa uma outra cultura, a do isolamento, da não interação com o mundo externo.

Meus cursos em 2007/2 16 agosto, 2007

Posted by Fabio Malini in cursos, documentos, jornalismo, jornalismo cidadão, Ufes.
add a comment

Este semestre estou a oferecer dois cursos:

1. a disciplina “jornalismo online” [programa] .

2. e a disciplina optativa “Imprensa e Jornalismo Cidadão” [programa].

Como vêem estou um tanto quanto jornalístico neste segundo semestre.

PS: tenho a responsabilidade pelo laboratório de novas mídias, mas dessa disciplina escrevo depois, já que, acho, que terá uma quantidade boas de surpresa.

Mídia Brasileira e Matrix 4 agosto, 2007

Posted by Fabio Malini in crítica, matrix, política.
1 comment so far

Muito apropriada a crítica que Breno Giuseppe faz da mídia brasileira, com imagens do filme Matrix. “Tá no Youtube”.