jump to navigation

O viral e o orkut nas eleições 2010 1 maio, 2010

Posted by Fabio Malini in eleições2010.
Tags: , ,
trackback

No Brasil, pelo o que estou pesquisando, as eleições serão marcadas pelo viral. Nada de Orkut, nada de Facebook, nada de Twitter. O que vai bombar e decidir o voto será, em primeiro lugar, o viral. Junto dele as estratégias de marketing de guerrilha. O viral trará toda a cultura do humor nacional, que é o que manda na internet no Brasil – só ver os milhares de virais já assistidos no país, do “funk de não sei quem” aos personagens bizarros que se tornam célebres no youtube.

O viral tem um componente complicado: o anonimato (como todo mundo sabe, o anonimato sacode a internet, mas é visto por muito como algo covarde). Mas faz parte de sua cultura. O anonimato pode gerar um duplo movimento, o de trolagens e boatarias; ou de adesão colorida, por outro. A trolagem (espalhamento de comportamentos fraticidas, facistas, de má educação) pode fazer forte o candidato que é detonado pelo boato, pois que o vitimiza, tornando-se, portanto, injustiçado e objeto de má fé. Mas o efeito pior é do candidato que o troll busca defender, que, rapidamente,  acusado de estimular a boataria, passa a impressão que é um cara sem ética. Candidato bom age rápido quando é trolado: cria um blog somente para responder a rumores. E leva a melhor.

Agora, se o viral, usando o bom humor, defende boas ideias, não ataca  ninguém, e se possível, é crítico à realidade política, aí ele bomba. Quanto melhor a ironia, mais ele se espalha. É batata, como se dizia nos 50. Cai nas graça alheia. E  o candidato beneficiado pelo “bom viral” passa a ter mais presença online. Dificuldade nisso tudo: humor não é para qualquer um. É preciso ter time para fazer uma ironia. Sentido eleitoral disso tudo: Os vídeos e fotos de humor inteligente vão em cima dos indecisos, como se tem demonstrado as últimas campanhas políticas em que a web se tornou estratégica. Na Inglaterra, tornou-se moda pegar a arte de um outdoor de determinado candidato e colocar uma redação nova e uma imagem nova, zombando da cara almofadinha das fotos do marketing político.

E os virais preferidos são os de vídeos e os de fotografia. Toda remixabilidade própria da internet se encontra neles. E eles vão deixar os marketeiros políticos de cabeça em pé, porque estes não têm mais nenhuma possibilidade de controlar toda a produção da fábrica social de comunicação na rede. Nenhuma. Por isso que as campanhas já começam a produzir seus próprios virais, tentando abastecer a massa de usuários ávidos por boas risadas.

O viral consegue descontruir inúmeras mensagens maquiadas dos candidatos, desmascarar possíveis estratégias políticas, zombar da contradição nos discursos e, é claro, propagandear com muito humor através das recombinações de áudio, imagem e vídeo, ideias que podem circular como praga pela rede.

Como os políticos no brasil  já contam, há algum tempo, com o total descrédito da população, o viral servirá ainda como uma espécie de vingança social (sobretudo aqueles feitos pelos eleitores que não vão votar em ninguém). Mas existirão aqueles virais ideológicos, que servirão para propagar ideias e propostas dos candidatos, advogar temas, denunciar posicionamentos conservadores ou esquerdistas.

O restante das mídias online, sobretudo as redes sociais, devem seguir a tendência da orkutização. Ou seja,  o simples depósito de fotos e de textos, envio de replyes e recadinhos do candidato ao usuário, e vice-versa. Será um “muito obrigado” pra lá, “adorei” pra cá, “estou em não sei onde para fazer isso” etc. Geralmente educadinhos, mas sem nenhum sentido prático. Por um motivo óbvio, a entourage partidária se morde de medo de expor o candidato a algo mais, leia isso como : o diálogo do político com os eleitores. Medo porque os eleitores fazem já perguntas pra lá de capiciosas para os políticos, que geralmente se calam e não respondem. Ou quando o contrário, respondem através daquele migué clássico: vamos melhorar, estamos pensando, por que não acatar sua ideia, etc.

O orkut servirá para fortalecer os apoiadores. Não muda voto, mas também não ganha. Quem apostar no Orkut vai nadar e morrer na praia. Orkut do candidato não consegue mobilizar ninguém por lá além daqueles que já são seus fãs. É isso, Orkut é coisa para fã. Orkut virou um grande mural exibicionista e local de pegação entre os jovens. E local para trocar recados e mensagens animadas entre os mais adultos. Há ainda ótimas comunidades virtuais por lá. Mas, como as campanhas não conseguem estar em comunidades virtuais estratégicas (porque são inúmeras) , o Orkut deve se encaminhar para ser um espaço em que as campanhas traçarão estratégias bem específicas, com nichos específicos, o de apoiadores-fãs, para fazer espalhar os conteúdos, e fazer dos apoiadores aqueles que vão ficar repetindo bordões, para além do bem e do mal. E ali o foco deve ser de acertar em cheio a população mais adulta, que está a colonizar o ambiente. São os pais e mães que agora descobriram a ferramenta, enquantos os filhotes fogem para outros lugares.

O Twitter nas eleições, cena dos próximos capítulos.

Comentários»

1. João Carlos Caribé - 1 maio, 2010

Grande Malini!

Pelo que entendi, você preconiza que esta eleição será a eleição do remix, e da guerrilha. Concordo, mas não acho que o Orkut seja “tiro n’agua” acho que ele tem o seu potencial, e penso que novas ideias criativas irão mudar o caminho das eleições.

Estou fazendo um texto mais ou menos na linha, mas com foco no marketing que de certa forma conversa com o seu, alias debate mesmo.

Aguarde…

Abraços livres

Caribé

2. Bia Martins - 2 maio, 2010

Oi Malini,

Bem interessante o seu post.

Mas fiquei pensando sobre o que você fala em relação às redes sociais. Concordo que para quem está ou esteve recentemente no poder a coisa fica um tanto burocrática por conta da impossibilidade de dar respostas satisfatórias pros eleitores.

Mas pra quem vem com um discurso de oposição e que nunca foi testado no governo pode ser bem fácil corresponder à indignação dos eleitores. Estou pensando nos partidos mais radicais, como o PSOL, mas isso também serve pro PV, que mesmo tendo aliança com o DEM e PSDB, vende a ideia de que é “algo totalmente diferente de tudo que está aí”.

Isso sem falar nas candidaturas proporcionais que certamente vão poder lucrar bastante com a difusão de suas campanhas nas redes.

Bom, também estou bem curiosa para ver qual será o papel das redes nestas eleições.

Um abraço,

Bia

3. Solange Hamrin - 2 maio, 2010

Essa eleicão comecou a ficar interessante. Aqui na Suécia também é ano eleitoral. O debate sobre o papel das redes sociais nesse eleicão tem estado em alta desde a campanha de Obama. O interessante é que os políticos locais comecarão suas campanhas semana passada fazendo, acredite ou não, campanha de porta em porta. Eles estão, lógico, mais ativos no facebook, por exemplo. Mas é o door-to-door que está valendo.

Um abraco
solange

4. Lori - 2 maio, 2010

Sensacional. Fica a dica, creio, para todos os atores desse cenário político. Se hoje, recebo um e-mai de correntes com piadinhas montadas sobre candidato x ou y não é atoa. Os virais chegam por aí também, depois se perde o controle. Acho que essas eleições vão ser da perda do controle.
Abs,Lori

5. Neide Vargas - 11 maio, 2010

Interessante sua abordagem acerca dos virais (termo que é novidade pra mim que não sou da área). Seria legal postar no seu blog/Twitter virais mais badalados relacionado às eleições no Brasil para que os leigos acompanhem o que ocorre no campo da virtualidade. E o Twitter, jogará papel relevante, na sua opinião? O Serra parece estar tentando passar uma imagem mais humanizada no seu twitter. O da Dilma e dos candidatos do ES não tem nada de interessante. Viu o furo da Dilma naquele site que você destacou (dilmanaweb)? Ontem o CQC mostrou no TOP FIVE: Nordeste pra ela não é Brasil.
Neide Vargas (Profa Economia- UFES)

6. Dalva Ramaldes - 28 junho, 2010

Acho o debate interessante e fundamental no contexto da comunicação mediada, mas ainda considero que o momento será de observação. A cada dia somos surpreendidos por novas linhas (redes) de produção de conteúdos “previsíveis e imprevisíveis” nesta perspectiva livre, horizontal e rizomática.
A tendência a um certo predomínio do marketing viral nas eleições de 2010 é inegável, mas não diria que este mecanismo tenda a definir, isoladamente, um processo eleitoral. Nào minimizaria também os efeitos do Orkut, ou de nenhuma outra rede, ainda que possam se constituir ou consolidarem-se como meras “vitrinas”. Creio que a proposição de conteúdos como memes pode emergir em qualquer espaço virtual e o determinante para sua replicação em rede será resultado da ressonância (em conteúdo e expressão) que possa despertar entre usuários de uma rede, atribuindo-se, então, ao mesmo, uma qualidade viral. Entendo assim, que a qualidade viral é efeito, sobre idéias (conteúdos) potencialmente com força num dado contexto ou formação cultural. Já dizia Dowkins que os memes fazem na herança cultural o mesmo que os genes na herança biológica: disputam um espaço de sobrevivência, onde só os já potencialmente mais fortes ( ou resistentes) sobrevivem. Entendendo a comunicação como um processo dialógico ( Bakhtin) , o papel fundamental das assessorias de marketing político será buscar no universo axiológico do eleitor, o que pode despertar, de alguma forma seu interesse ou suprir uma necessidade, desejo ou crença de forma a consolidar semanticamente os discursos em consonância com o enunciatário-alvo, para que ele, somente ele, assuma o papel de replicador.
Mas ainda são reflexões iniciais.

7. Lívia cor. - 24 julho, 2010

olá, estou te linkei no blog. o agitocult é um blog de jornalismo cultural. linka gente tambm c vc se interessar =)

8. Panda Urbano - 16 novembro, 2010

Fabio,
somos capixabas e trouxemos descontos até 95%!
Agora estamos sorteando uma TV! Nossa divulgação:

Quer ganhar uma TV LCD 32? Curta o anúncio e inscreva-se no site de ofertas capixabas com até 95% de desconto! PandaUrbano.com.br

9. Azurite and Chrysocolla 8 Briolettes - 1 agosto, 2011

Hey! I merely noticed one other information within another website which seemed like this. How do you know each one of these products? That’s one awesome publish.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: