jump to navigation

De Porto Velho a Macapá 31 março, 2009

Posted by Fabio Malini in Blogs, jornalismo, política.
Tags: , , ,
5 comments

Porto Velho-RO passou. A cidade é indiferente.  Mas tem o Zé, do Banzeiros. Grande figura que vai ajudar dar um gás na blogosfera por lá. Então foi uma estada difícil. Mas havia o rio Madeira. Havia aquela barcaça. Havia o boto. Passear na barcaça me deu a mesma sensação quando estou de frente para a praia. Calma, muito calma. Só foi 1 horinha. Nada mais. Chega a hora de ir para Macapá.

Cheguei a Macapá bem tarde. 1 hora da matina. 6 horas de vôo. Lia na viagem Foucault, que me perturbava (“ouvir é patético e lógico”, dizia). E eu pensava sem parar (, meio que, é…) para tentar chegar a uma hipótese sobre por que blogamos. Confissão? Fluxo de pensamento? Portar verdade? Relacionar-se? Eu lia A hermenêutica do sujeito com uma dose de esperança na filosofia para me fazer entender qual é a subjetivação da blogosfera. Eu registro, eu deixo uma memória. Ok. Mas por quê? Tem coisas que a gente só precisa guardar na memória… Aí, ao ler, eu fui me deparando com o fato de que blogueiro não escuta… Gosta de ver e escrever. É, portanto, tato e visão. Foucault explicava o que é ouvir e escrever muito facilmente, ele relatava a gênese do diário, localizando-o na história como um dispositivo de escrita que faz do sujeito um produtor de verdade de si (na Antiguidade, só os filósofos conduziam o sujeito à verdade, depois o cristianismo criou a confissão como uma estratégia para o alcance da verdade pura). Mas, depois da Reforma, o diário revoluciona a subjetivação, pois que se trata da escrita que busca uma verdade de si para o outro.  Tô confuso… porque blog não é diário, mas pode ser também.  E ninguém criou o blog na revolução protestante. Aí, fiquei filosofando. Desisti, pensei que estava longe de casa, do filho, da mulher, dos meus alunos, amigos. E volto pra filosofia. E volto para casa. Casa-filho-e a mala vem vindo… “Puts, tá toda suja minha mala vermelha”, “A Francis vai detestar”. A mala é dela. O vermelho foi idéia minha. Mas a posse é dela. 🙂

O táxi não chega. Chega. Entro. Saio. Hotel ruim (nem tanto, mas tem mosquito). Durmo. Café. Internet e Foucault. Outro hotel. Calor. Rio Amazonas é lindo. É maior que a praia em frente de casa. Durmo. Estudo. Internet.

(…) (…)  zzzzzzzzzzzzzzzz Ai, meu Deus, que horas são?

são 17h30

Enfim, reunião de blogueiros, novos amigos. 18h.  Estou em terceira pessoa. Sem visão, sem tato. Agora só quero escutar. Patético (passivo) e Lógico (a verdade vai entrar pelo ouvido). Foucault, me ajuda.

Abraço Alcinea Cavalcanti. Depois digo oi para todo mundo. Todo mundo conta história do seu blog. E, eu pensando, não quero anotar nada. Só quero ouvir. Todos: “a internet chega via rádio”. A liberdade acontece à noite em Macapá.  É quando a imaginação chega. Antes, casa-trabalho-casa. Eu sou de fixar preso a frases soltas. Narrar me cansa, inventar um caminho me fatiga.  Eu fiquei ouvindo coisas tão bonitas de por que cada um resolveu aparecer ao mundo, e boom, escrever. Dulci resolveu blogar por que sua expressão não cabia no relise, única linguagem possível no seu cotidiano. Criou o blog Além do Release. No final, só queria construir a verdade com o outro. “Sentia falta de ter pares”, conta.

Havia aqueles que desistiram do blog. Mas continuavam blogueiros. Esquisito? Não. É porque há um momento em que o blog não encaixa na gente. Aí deixamos o tempo sem tempo. Em suspensão. Depois a gente volta. Com um novo nome, uma nova verdade a construir e defender. Depois, ela se sedimenta. Começamos tudo de novo. O blog não muda nem de nome, nem de casa. Muda de gente mesmo. “Eu tô parado, mas vou voltar”, dizia o Alípio, que saca de sistema de informação, hacker de primeira. Especializou-se em tornar público falcatruas dos gastos que estão escondidas nas inúmeras tabelas dos bancos de dados em linguagem mysql. Adora desvendar os valores de empenho de governos. O Alípio é tímido. Mas tem domínio próprio. Foi intimado pela família Sarney. Divulgou matéria da Veja sobre o escândalo da grana do marido da Roseana Sarney. 2002. Alípio agora faz mestrado em Desenvolvimento Regional.

Há os que estão num ritmo mais lento. Porque Aprendem. Alfabetizam-se. Ou porque o blog não era dele. Era de alguém que queria trabalhar com a juventude. A juventude passou, e o blog não tem para onde ir. Normal, Patrique. Guarde o blog, pois mais juventude vai chegar. Mas estão a criar um território para a cultura, onde o tempo não possui premência. Ou num ritmo mais lento. “Eu não tiro férias do meu blog, eu digo que estou devagar”. Mesmo na viagem, um post pode brotar. Então, fiquemosssss de v   a   g      a    r       z  i   n  ho ooooooo. É um vexame romper o pacto ético do ócio. Tem coisa pior que dizer que se está de férias e dar uma passadinha no trabalho. Então o legal é “estar devagar”. Adorei, Alcinele. Vou copiar.

Por falar na Alcilene, seu blog recebe diariamente relises da galera das assessorias. É a principal blogcolunista local. Faz tanto sucesso que, depois que colocou um anúncio de aniversário, sua caixa de email vive entupida de pedidos de notinha. “Ô, Alcinele, tem como colocar a notinha de aniversário do meu chefe?”.  Querem torná-la colunista social.  Ele resiste. Rimos um bocado. De doer a barriga.  Ela atualiza o seu bichinho à noite. A família reclama do computador ligado (esse povo de hoje, né!, só vive no computador). É gestora no Ministério Público. Mas quer ter mais um blog, um de culinária. Foi outra vítima da censura do Sarney. O blog virou poeirinha. Depois voltou.

A da irmã, a Alcinéia Cavalcante, também foi pro ralo. Nossa amiga, que liderou o movimento Xô, Sarney na web se tornou blogueira muito respeitada no Brasil inteiro. “Conheci tanta gente boa por conta disso”, conta rindo à toa.  A campanha gerou 50 mil páginas mundo à fora. E uma indenização moral (Égua! Vê se Pode isso!!) ao Sarney de R$ 2 milhões. “Eu sou abusada”, diz. A história dela é longa (não vou contar aqui tudo, porque não sou bobo, vou guardar para o livro sobre blogueiros brasileiros que fazem realmente a diferença). É respeitadíssima pelos pares. Deve ter lá suas contradições, mas tem convicção com elegância. Usa a elegância para superar a censura. A última começou com a negação da credencial para cobrir o Carnaval do Amapá. Sacanagem, é fundadora do Carnaval daqui. “Sem problemas. Não preciso de credencial para cobrir o carnaval”. Engalfinhou-se pelo povão. E retratou no blog os serviços que eram oferecidos à população. “Nossa, a Alcinéia colocava fotos dos banheiros do sambódomo, imundos,  impossíveis de usar, com fezes deixadas no chão em sacolas de supermercado”, disse a Dulci. Sony Cibershot poderosa…

Foi um escândalo. O banheiro e o cocozão. E Alcinéia ri. “Se eu tivesse credencial, não iria ver nada daquilo”, brinca.

Na mesa, tinha também poeta, jornalista e atriz. Adorei ler o Égua não e o Neste Instante.  A Kiara Guedes edita ambos. É atriz, poeta, é empresária. É inquieta mesmo. Diz que estão a viver um momento de liberdade para se expressar, mesmo com os constrangimentos impostos pela censura dos políticos locais e da subserviência descarada de algo chamado de imprensa (não é, não é não). Antes eram estátuas vivas. Cansaram de brincar de ficar parado.  Agora alguém toca no corpo,  fazendo- reviver. “Estamos tocando uns aos outros, acordando e ficando ativos”. Quer ter um blog com design mais arrojado. É a mais vaidosa do grupo. Vaidade boa. Auto-estima lá em cima. Por causa dos seus poemas virtuais, é conhecida e tem seguidores.

Tudo soa politizado nessa mesa. Explico um pouco quem sou eu (negócio complicado sempre). Tiramos fotos. Conversamos mais. Fizemos planos. Comemos o bolo de milho que Alcineia indicou (lembrei da minha avó, a italianada, “vó, tenho que visitá-la”, ai que culpa por isso, normal). Todos se vão. Eu e Alcinéia papeamos, vamos tocando um noutro. Nada de estátua mais. Falamos de política, da vida, do táxi. Ganho uma carona. Chego ao hotel.

Encontro Foucault. Arguo: quem disse que blogueiro não ouve? Patético e lógico fico.

Amanheceu. Tô com saudade do Pedro. Beijos, filho, agora deves estar no mais pesado dos sonos.

E na televisão passa Big Brother, um monte de gente transformada em estátua.

É isso, Um “post escrito de ouvido”.

Conversa com blogueiros queridos do Amapá. A companheira Alcinea Cavalcanti, ao meu lado, à direita.

Conversa com blogueiros queridos do Amapá. A companheira Alcinea Cavalcanti, ao meu lado, à esquerda.

Anúncios

O que nós, blogueiros, somos? 21 janeiro, 2009

Posted by Fabio Malini in Blogs, campusblog, campusparty, cibercultura.
18 comments

palestra no Campus Party Brasil

21 de janeiro de 2009

“O devir é sempre de ordem outra que a da filiação. Ele é da ordem da aliança”. (Gilles Deleuze)

quem diga que se há só existe uma única identidade entre blogueiros: a própria internet (este seria o ser positivo dos bloggers). Contudo, em geral,  esse tipo de informação tem um certo sentido pejorativo, pois que se revela uma operação antropológica negativa, já que acusa todo tipo de blogueiro de “falta de tradição ética” (este seria o ser negativo dos bloggers).

Usando muitas remissões de leituras associadas ao ciclo do debate sobre o capitalismo cognitivo, que peço desculpas, por não referenciá-las, pois aqui se trata de texto síntese, um texto para ser lido.

De antemão eu queria demonstrar que estamos no cerne de um conflito de poder. Na verdade, num conflito entre poder e saber. Esse conflito está associado à nossa indignação, a nossa insurreição sobre por que nós somos excluídos do coletivo que conhece ou do coletivo que deve produzir o conhecimento. O poder, no âmbito do saber, sempre se estruturou no isolamento da sociedade ao trabalho do laboratório, do trabalho que produz a experiência. A experiência é que funda a certeza.  Portanto, isso fez separar o saber do comum. Com isso o argumento de o saber devendo ser produto do espaço público, do espaço comum, sempre foi refutado, porque isso causaria a desordem, o caos, geraria somente incertezas. Então o monopólio do saber fica restrito aos representantes. Os acordos do saber ocorrem entre poucos. Isso é a base da democracia representativa. Um tempo as pessoas são ouvidas, depois se calam, porque transferem suas vozes para seus representantes. A lógica de um fala, outro se cala, é o que fundamento o poder no campo dos saber. É assim que se faz ciência, é assim que faz jornalismo, por exemplo.

Os blogs fazem parte de uma movimento social que recusa essa hierarquização. Recusa como o poder funciona. De deixar para a mídia dizer quem é jornalista ou não é. Quem informa e quem não informa. O poder funciona nessa separação. Não se trata de desqualificar saberes dos especialistas e eruditos, é muito mais questionar a sua clausura, o seu isolamento. É questionar essa divisão. Essa é a nossa visão, esse é o nosso desejo, essa é a nossa vida. Hoje o conhecimento não é mais estável. As corporações do poder também estão numa incerteza radical. Veja o caso caso do jornalista. O capitalismo cultural está sendo marcado por essa incerteza. Muitos saberes estão saindo de espaços públicos rompendo a sua insígna de saber profano.

Foucault dizia que é uma insurreição do saber submisso, é  o que vivemos. É um movimento duplo. Uma insurreição do saber particular, do saber naif, do saber ingênuo. Saberes que são particulares e específicos. O louco quer demonstrar o seu saber, o operário, o morador de rua,o presidiário, o adolescente, o paciente, idem. E, por outro lado, há também uma insurreição do saberes eruditos: das tradições, dos conceitos, das teorias que haviam sido vencidas. O caso do debate teórico sobre os commons e a liberdade é um exemplo disso, porque era uma reflexão que havia sido completamente abandonada e derrotada na universidade, e que agora é retomada com muita força.

Então somos parte, como blogueiros, dessa nova luta contra o poder. Contra o direito do poder em auto-proclamar quem é o especialista, que é aquele que tem experiência e quem tem o direito de fazer a experiência. Como disse explicitamente o filósofo italiano Maurizio Lazzarato, “o poder de crítica cabe a cada um de nós, e não apenas aos ‘especialistas’. Nós somos especialistas”.

Eu queria corroborar e refutar essas duas dimensões identitárias (o positivo e o negativo) a partir de algumas leituras teóricas e observações da produção blogueira. Então a partir dessa tensão entre o positivo e o negativo extrairia os fundamentos que todo blogueiro levam em consideração para formar a sua reputação (ou melhor, os seus padrões de conduta). Tudo isso de forma muito ensaística e, até certo ponto, com uma levada filosófica para fazer jus a minha atividade profissional de professor universitário.

I. Todo blog reproduz a cultura da internet.

Todos nós sabemos: ao emergir em 1997, o blog hospedava as linguagens mais amadurecidas da internet. E mais: se tornava o mais novo povoamento da internet. Muitos usuários começaram a ter uma nova moradia na web para além de seus email (primeiro povoamento) e das suas comunidades virtuais (segundo povoamento). O interessante é que o blog vai ser a primeira plataforma madura de publicação que nasce na internet, não guardando nenhuma (eu sou radical nisso), mas nenhuma mesmo, referência a qualquer forma de publicação que o antecedeu. Não tinha, a priori, a necessidade de de transpor nenhum meio físico de informação, tal como se caracterizou o jornalismo online.

A primeira conclusão óbvia é que todo blog é, de forma condicional, uma prática cibercultural. Eu tenho uma experiência de ser professor de jornalismo digital que coloco meus alunos para publicarem blogs, apesar da reação deles, que querem produzir notícias. E noto que a grande dificuldade deles em produzir blog é a adaptação à netculture e o abandono dos princípios éticos de massificação. (Vocês sabem o jornalismo advém da cultura do papel: a durabilidade, a objetividade, a portabilidade, a opinião pública, a massificação, mas também o descarte, a efemeridade, a exclusividade e, principalmente, o passado. O Mcluhan dizia que o papel – na verdade, o livro – inventou o público e o individualismo. Então, meus alunos querem falar com o grande público, isolado e passivo. E a internet é uma ruptura com a massificação. Nunca na internet haverá uma publicação com a mesma audiência da televisão, por exemplo). Mas percebo que abandonar os princípios de massificação não é um grande obstáculo, mas sim compreender e exercitar os fundamentos da netculture, que é uma memória pesada que está cimentada sobre os ombros de cada blogueiro.

Que fundamentos são esses? Inúmeros, mas quero destacar apenas três,  aqueles que estão mais arraigados até hoje na constiuição do ser blogueiro (isso com ajuda ajuda de um especialista nesses fundamentos, o russo Lev Manovich):

  1. Na rede, “nos identificamos com a estrutura mental de outra pessoa”. Não seguimos o corpo de uma celebridade, como ocorre na sociedade industrial de massa. A internet é um dispositivo de relação entre mentes: é um bio-organismo vivo.
  2. Na rede, “todos os meios são programáveis”. Os dados são contínuos, portanto, submetidos sempre a uma adaptação individual ao invés da estandartização massificada.
  3. “Toda cultura digital é marcada pelo princípio da variabilidade”. Cada um seleciona entre uma diversidade de dados a ideologia quer carregar, tornando o original apenas protótipo daquilo que quer recombinar. Todos blogs são meios variáveis, porque servem como versões e protótipos ao mesmo tempo.

No sentido bem amplo, podemos reconhecer três características dos blogueiros que são derivadas dessa cultura da rede:

  1. Da relação entre mentes, advém entre os blogueiros o princípio da interligação. A ligação é que distingue o blog de qualquer outra publicação. Blogar é se aliar, se associar, se linkar (blogueiro linka blogueiro, se diz). É uma relação contínua com o outro. Aqui reside a cultura do hiperlink (filtro e contexto), a cultura dos memes (influência e partilha), a cultura da conversação (participação e referências múltiplas). A interface dos blogs é preparada para a interligação. Isso é o núcleo genealógico (portanto a raiz) da atividade blogueira.
  2. Da cultura da programação dos meios digitais, advém entre os blogueiros o princípio da perspectiva individual. O blog é um espaço protegido. Ninguém revisa o que você escreve. Portanto, não há checagem de ninguém, você não tem de responder perante a ninguém. É uma experiência, deste modo, de alargamento da compreensão pública da vida. E, em geral, essa compreensão se distinguem das versões do poder. É por isso que detestamos blogs que se detêm apenas a reproduzir conteúdos já padronizados, logo, conteúdos que reproduzem o poder. Isso porque, na raiz da estandartização, existe a busca pela fixação da compreensão a um único relato, a um único texto.
  3. Da cultura da variabilidade, advém entre os blogueiros do princípio da mistura.  Eu queria reforçar esse princípio porque tem muita relação com a questão biológica. O Richard Dawkins que afirmava que ao se tornar múltiplo, hibridizado, sabemos que o corpo fica mais forte, mais resistente. E há a perda natural do original. É a diferença o que une os blogueiros. Nesse sentido, eu sou do grupo que considero o blog algo absolutamente inclassificável. E acredito que ele é um gênero literário. Blogar é uma experiência que, paradoxalmente, estimula dois movimentos: puxar e empurrar, graças ao fato de cada post possa se dividir em comentários e hiperlinks que conduzem o leitor para um outro lugar com as mesmas característica de divisibilidade.

II. A moral blogueira e a questão da reputação

Eu dizia que concordo com a tese de que a unidade do blogueira reside no fato de ser o blog resultante da cultura da internet. Mas que era contra a visão de que a blogosfera não contém uma ética. Essa é uma crítica pesada. Não sei se vocês sabem a dimensão que isso causa quando alguém diz a um outro que não possui uma ética. O filósofo francês Michel Foucault gostava de ressaltar que nos tornamos sujeito – portanto, ativos no mundo – quando adquirimos uma ética; quando somos preenchidos de valores que fazem afirmar nossa singularidade, nossa diferença, nossa pulsão, nosso desejo de vida, nossa “vontade de poder” para citar o Nietzsche. Então quando dizemos que o blogueiro não é um “sujeito ético” significa uma acusação, significa que ele não é capaz de agir sobre o mundo, não é capaz de transformar a si. A ética é esse carregamento de valores que constituímos para nós como algo que nos difere e que nos movimenta. E que nos faz conhecer a si e aos outros.

Mas, num lugar como a da blogosfera, onde há uma fragmentação absurda do saber, onde se fala muito e se ouve pouco, onde parecemos nos sentir mais isolados do que em comunhão, será que é possível dizer que formamos um corpo ou seríamos apenas uma simulacro de nós mesmos? Somos um movimento social ou somos apenas imagens oportunistas e exibicionistas? Somos permeados de vontade de poder ou somos portfólios prêt-a-porter? Mais uma mercadoriazinha com seus valores de uso e troca ou um trabalho que nega ser comandado? Eu sei que essas questões ainda não estão bem resolvidas. Contudo, eu queria colocar isso bem num âmbito político para enfrentar essas questões espinhosas para chegar ao coração das práticas de reputação na blogosfera. É preciso, como fizeram os gregos, criar o Outro, criar aquilo que não é como uma estratégia antropológica para se dizer o que é. Trocando em miúdos: nós, blogueiros, quem somos e o que não somos? Eu estudo, do ponto de vista do materialismo, então parto da premissa que “somos o que construímos” numa relação de força contra força.

Então eu queria responder esse dilema ético do “ser ou não ser” a partir da análise de como se constrói o blogueiro para depois extrair daí as estratégias de julgo associadas esse mundo, que estão presentes na práxis blogueira. Vocês sabem, reputatus, significa renome que vêm da capacidade de julgo, de diferimento, de consideração. É uma avaliação que nos escapa: é uma atitude amorosa, à medida que se depende do outro. Mas dependendo do que se seja, de como nos definimos eticamente, a capacidade de distinção também é uma ou outra.

Para mim, nós, blogueiros somos tipos de pessoas motivados pela “partilha da informação, pela construção de uma reputação e pela expressão livre da opinião pessoal”. E o que nos funda é a ligação, é a relação com o outro, é o link, a referência. Blogueiro linka blogueiro, eis a nossa fundação ética no campo da informação. Diz a Rebecca Blood, “é a ligação que confere credibilidade aos weblogues, cria uma transparência impossível de atingir noutro meio de comunicação. É a ligação que cria a comunidade em que o weblogue se enquadra. É a ligação que distingue o blog da escrita dos meios tradicionais”.  Partilhar informação (links) ornando-a com sua expressão é o que vai torná-lo respeitado. Mas, sem sombra de dúvida, é “a produção de um ponto de vista, a capacidade de seleção de links e a experiência de vida do autor” que vão demarcar a sua reputação no seio dessa tribo. A reputação do blogueiro tem haver com sua capacidade de ser um perito. E, pela primeira vez na história da comunicação, a verdade é construída sem a necessidade de hierarquias no plano da subjetividade.

Hoje podemos dizer que a reputação é resultante de um conjunto muito diversificado de operações. Mas julgar é algo que requer tempo. As idéias requerem tempo, já dizia Platão. Fiz um compêndio do que autores que têm estudado a blogosfera tem a dizer sobre a conquista de uma reputação em blogs:

– Escreva só para você. Você é o seu único público.

– Concentrar-se num assunto específico. A identidade é a base da reputação.

– Indagar-se sempre sobre por que está direcionando um link e ou por que escreve sobre um assunto. No mundo da blogosfera, a reputação nasce dos links que você sugere. A confiança é fator decisivo na formação da reputação.

– Quem passa de perito para “personalidade da web” perde reputação porque se orienta por questões não mais centrais ao foco do seu blog.

– Analise a imagem mental do seu público para que não publique nada inadequado. A reputação cresce quando o conteúdo do blog coaduna-se com o gosto do público. Se escreves sobre gastronomia, talvez o público não seja muito fã de suas impressões sobre o filme que você assistiu com seu filho.

– Não recomende de imediato uma notícia que tenha gostado. Pesquise, compare versões e direcione ligações para aquelas mais aprofundadas.

– É preciso ter uma presença online pró-ativa e colaborativa para além dos blogs. Mas não pratique a adulação e não seja submisso. O importante é a ponderação, a sinceridade e a posição discordante respeitosa.

– Ignore os conflitos.

– Não queira ser um “vendedor de audiências” como faz a televisão. A longo prazo, você é visto como um mercenário. E sua voz terá pouca força de reputação de conteúdos na comunidade blogueira, apesar de ter popularidade.

– Publique aquilo que é verdadeiro. A verdade é o limite da liberdade da expressão.

– Qualquer erro deve ser corrigido publicamente.

– Nunca destrua um post. Se não tem certeza de sua opinião, não a publique.

– Revele os conflitos de interesse em torno de uma idéia ou fato.

– Faça ligação para links de conteúdos que você discorda.

III. Notas conclusivas: sobre críticas à moral blogueira

Eu queria terminar apontando alguns dilemas éticos que nos atravessam e que afetam a construção da reputação blogueira em comunidade. E comentar um pouquinho cada um desses dilemas:
1.    Os links incestuosos ou a endogenia mafiosa de alguns blogueiros. No jornalismo uma das coisas mais danosas é que o jornalista só lê jornal. Isso faz com que as notícias sejam sempre as mesmas. Dizemos, isso é uma tautologia. No caso dos blogs, o nosso problema é ficar restrito a poucas fontes, geralmente aquelas que alcançaram um papel de hub no nosso campo. Quando ficamos restrito a um mundo restrito, impedimos que  perspectivas distintas. Então seria muito bom que todo blogueiro convocasse e linkasse blogs com pequena audiência, isso como um hábito mensal ou semanal. Isso não é só um questão que produz empatia, mas que valoriza o novo, valoriza a comunidade. Sabemos, com a nossa experiência de mídia de massa, que repetição gera saturação na imagem.
2.    Pouco esclarecimento de notícias, e mais pontos de vista sobre elas. A função da blogosfera é fazer uma insurreição na velha hierarquia saber especializado x saber profano, como já havia colocado. A grande força da blogosfera é constituir uma excesso de ponto de vista para retirar o sentido único que geralmente contém uma notícia ou até um post. Muitas vezes há uma reprodução da agenda midiática, uma importação cega, para o blog ficar dentro da agenda da imprensa. E assim ganhar mais atenção. Não adianta o cara dizer que a saúde do Steve jobs anda ruim. Significa sempre que ele está à reboque de um outro mídia. A questão é então o que significa isso para o mercado de tecnologia, para a história da informação, para o futuro da Apple etc.

3.    A repetição, a previsibilidade e o ar de completo. É importante o raciocínio que nosso conteúdo é aberto, portanto, sempre há uma lacuna que queremos deixar de tê-la. Quando repetimos o que já dizemos, somos previsíveis, produzimos redundância negativa, uma entropia. É como ouvir um palestrante repetindo o mesmo argumento. A repetição deve ser um recurso para ativar uma memória. Somente, penso.

4.    As reações convencionais no lugar da interpretação genuína. Não se torne um jogador de futebol. Sabe aquela coisa de repórter no campo, jogar saindo do vestiário e aquele depoimento: “Respeito o adversário, será um jogo duro, mas estamos preparado para ganhar”. Então esse vazio argumentativo é depreciativo. Uma coisa é ser ponderado, outra coisa é ser submisso.  É preciso que sua voz ecoe na blogosfera, através de argumentos que fazem parte de seu ponto de vista.
5.    Pautar-se exclusivamente pelos assuntos do momento (caçadores de paraquedistas). Não se estresse: sempre haverá alguém com público maior que o seu. “Não confunda a atenção que presta ao público com o objetivo de impressioná-lo”.

Yoani Sánchez e o surrealismo cubano 6 dezembro, 2008

Posted by Fabio Malini in américa latina, Blogs, experiências, jornalismo cidadão.
Tags: , , ,
2 comments

Yoani Sánchez, blogueira do GeneracionY, cubana, filósofa, tem passado poucas e boas no seu país. Lá, ter e manter um blog pode ser uma atividade que ameace à revolução, “ao papá”, como ela diz. Na última quinta, junto com Antonio Granado e o Tiago Dória, entrevistei-a no Itaú Cultural, no âmbito do Seminário Rumos Jornalismo Cultural.

A entrevista foi feita no calor de uma “situação surreal”. A Polícia, na véspera, a havia proibido de produzir o seu blog. E de sair de Cuba. “Desde março deste ano, o governo cubano colocou um filtro no meu blog para que não seja possível que se leia o blog em Cuba”, contou.

A blogueira revelou que a antipatia que tem o poder de ti  se deve ao fato de seus posts serem lidos em Cuba não só pela internet, mas também através de cópias impressas que são distribuídas no interior da ilha.

“Pela primeira vez os censores não podem deter um fenômeno informativo. A cada novo intento de censurar o meu blog, mais visitas ele acaba recebendo”, argumentou.

Quem quiser conferir, a entrevista na íntegra é só dá um pulo no blog do Tiago Dória. Tem também: o post da reprimenda da polícia a Yoani e a repercussão da censura à autora na blogosfera.

por que blogar? 2 novembro, 2008

Posted by Fabio Malini in Blogs.
Tags: , ,
add a comment

Em comentário ao post da Gabriela Galvão sobre por que se bloga, escrevi o seguinte:

Não sei se blogar é um ato que se resuma a apenas a uma “produção de imagens” de si… Quero acreditar que não. Não é somente uma questão de portfólio.

No final de contas é: alguém quer conversar sobre aquilo que quero conversar?

Talvez essa indagação, própria do blogueiro, se resuma à nossa dificuldade de entender qual é o corpo que estamos a criar na blogosfera.

É então uma questão imanente, né. É uma questão de construir o próprio sentido do mundo, e não se subsumir aos já criados por aqueles poderes transcedentes (a mídia, o Estado, etc).

É aquilo que o Antonio Negri, filósofo que eu curto muito diz, “a verdade é aquilo que construímos”.

Então, o blog é a nossa verdade!

jornalismo e blogs 3 maio, 2008

Posted by Fabio Malini in Blogs, jornalismo.
Tags: , ,
add a comment

Especial legal sobre blogueiros e jornalistas. É produzido pelo blog Digestivo Cultural:

Jovens blogueiros, envelheçam, por Rafael Rodrigues

Blogueiros versus jornalistas?, por Lisandro Gaertner

Jornalismo em tempos instáveis, por Luiz Rebinski Junior

Jornalismo de todos para todos, Gabriela Vargas

Blog precisa ser jornalismo?, Rafael Fernandes

Jornalistossaurus x Monkey bloggers, por Diogo Salles

Papel, tinta, bluetooth e wireless, por Tati de Roterdã

ciberpolítica e eleições 2006 30 abril, 2008

Posted by Fabio Malini in Blogs, cibercultura, jornalismo, política.
Tags: , , , ,
add a comment

No site da revista científica Razon y Palabra (super indicável!), há a introdução do livro Ciberpolítica, de Carmen Fernandes,  que destrincha o impacto do uso da internet nas eleições até o ano de 2006.

Na Intercom Sudeste 2008, assino, junto com o Gabriel Herkenhoff, o artigo A disputa pela produção dos sentidos nas eleições de 2006: a emergência de uma opinião distribuída. O trabalho busca empreender uma análise do papel da Internet, no que tange suas possibilidades de produção de conteúdo (especialmente blogs, Orkut e You Tube) nas eleições presidenciais brasileiras de 2006 e sua vitalidade na construção de um campo de batalha pela produção de sentidos.

Embraba adere ao blogue corporativo 24 agosto, 2007

Posted by Fabio Malini in Blogs, jornalismo cidadão.
15 comments

Olha aí, a Embrapa lança o AgroBlog. O objetivo é informar sobre o mundo das informações rurais. Como uma instituição com muita credibilidade, a Embrapa assume que pode também noticiar ao mesmo tempo que divulga informações também para a mídia.

Legal!

O Estadão e os blogues 16 agosto, 2007

Posted by Fabio Malini in Blogs, campanhas, jornalismo, jornalismo cidadão.
1 comment so far

Não está entendendo nada? Então leia sobre, no blogue Pensar Enlouquece, a nova campanha virótica da blogosfera. Agora é contra o Estadão. Tudo por conta de um anúncio do Estado que satiriza o universo bologueiro, mostrando que, quem quer credibilidade, deve buscar o impresso.

O orkut e as novas gerações 29 abril, 2007

Posted by Fabio Malini in Blogs, orkut.
add a comment

O Antoun publicou a entrevista que concedeu ao JB para fazer parte sobre o uso pelos adolescentes e jovens do site de relacionamento Orkut.

Vale à pena ler a entrevista no blog do cara e a matéria do JB. Um drops para vosotros:

Acho que estas exibições funcionam mais como experiências na esfera da audiência e teste na opinião de um público. Você sempre pode alterar seu perfil, ou criar outro perfil ou eliminar um perfil mal sucedido. Por outro lado, a rede social como o blog funciona como falar dos problemas com o motorista de taxi. A maioria não espera que ninguém além de um pequeno circulo de amigos vai dar atenção ao que esta sendo mostrado. O problema é a mídia focar aquilo e dar uma grande publicidade. Blog e rede social é um tipo diferente de conhecimento e informação. É o que o filósofo Espinosa chamava de conhecimento do terceiro gênero; um conhecimento intuitivo e afetivo onde você fala de seu mundo próprio e de sua afetividade. Esse tipo de conhecimento se transforma completamente quando transferido para a mídia de massa onde ele vai ganhar a face do preconceito e do julgamento moral.

Eu fico me perguntando o quanto essa opinião pode ser levada a sério. Ou melhor, a`mídia de massa espernearia se tentassem lhe imputar essa imagem, embora sua programação seja muito mais promotora de crime, drogas e pornografia; mas como o Orkut esta roubando o público das TVs, esses mesmos canais ficam cinicamente tentando eliminar a concorrência excitando os oficiais de justiça e os formadores de opinião. E porque não bloquear a entrada da imagem nos canais de TV e só permiti-la depois que aquele que esta assistindo preencher um longo formulário em três vias?

Posts relacionados neste blog:

O Orkut e a Noção de Fora

Orkut e a Sociedade do Espetáculo I, II, III e IV

Artigos sobre o Orkut