jump to navigation

Novo FolhaOnline: notícia e entretenimento 23 agosto, 2007

Posted by Fabio Malini in design de notícias, Folha Online, jornalismo.
2 comments

Muita gente deve ter reparado. O FolhaOnline tem novo design. Lá vão minhas Observações (im)pertinentes:

— O destaque – com freqüência os principais colunistas – no alto. Uma ótima solução, embora valoriza a cultura narcísica do jornalista. Mas quem está lá em cima é porque faz por merecer. Ninguém forma opinião mentindo o tempo inteiro, ainda mais na internet. Então gostei. E mostra uma outra coisa: a internet se torna o principal espaço de formação de opinião para as audiências que possuem internet. Quem não tem, a TV ainda tem um papel primordial.

— O conteúdo de entretenimento ganha um puta espaço. Isto aí é uma tendência também no impresso. Fofoca e o mundo das celebridades da TV deixa, na internet, o dedo ficar nervoso em cima do mouse. A questão aí é: e a credibilidade?

— O espaço principal para Fotografia é um retrocesso. A foto fica como na primeira página de um jornal, mas descolada de qualquer perspcetiva editorial. O espaço poderia ter muito mais linguagens digitais da fotografia, como um slideshow, um ensaio fotográfico… Uma boa volta no El País poderia render mais idéias.

— É piada o espaço ganho pela Seção Mais Lida. O povo quer gerar pageviews adoidado. É um retrocesso valorizar isso no lugar do espaço multimídia, é estar na contra-corrente do mercado de internet (os usuário buscam em vídeo já que a expansão da banda larga entre eles já é uma realidade). Mas a questão aí pode ser editorial: não há produção jornalística em vídeo que justifique a ampliação do canal multimídia. Ou ainda a dificuldade de integração das redações dos veículos numa única plataforma, o online. O Clarin já conseguiu se integrar.

Resumo da ópera: a principal diretriz do novo design de notícias da Folha Online foi ampliar o espaço do entretenimento e reduzir o espaço editorial. É simplório isso, mas é fato. Diminuíram a força de um ótimo jornal online.
Mas é aquilo: talvez o jornalismo de portal comece a valorizar o que provoca mais atenção em detrimento da informação, que vai se acumulando na matéria principal e nos blogueiros-colunistas.

Outra coisa: nenhuma aposta na Web 2.0. Nada de participação do leitor, além do reme-reme das enquetes.

Triste!

Anúncios