jump to navigation

O Comunismo das Redes 29 abril, 2007

Posted by Fabio Malini in Blogs, capitalismo cognitivo, jornalismo, Motim francês, p2p, Pensamento Negri, tese, web 2.0.
5 comments

Acabei de publicar um artigo na Global n.8 chamado “O Comunismo das Redes”. Mas, como ainda não posso postar ele aqui, aproveito para deixar o paper escrito para ocasião da defesa da minha tese, com o mesmo título.

Trata-se da síntese, que acho que ficou muito boa, da minha tese.

a economia da informação e o capitalismo são inconciliáveis, pois a principal força produtiva – o saber – não é quantificável, quer dizer, não pode ser medida por horas de trabalho. Além disso, o fato de o saber ser difuso faz com que o capital “saía de uma lógica de valorização baseada em um controle direto do processo de produção”. Por conta disso, provoca uma crise “de fundo no capitalismo e antecipa uma outra economia, de tipo novo e ainda ser fundada”. Essa outra economia a ser fundada estaria já se constituindo no espaço das redes livres (freenets): tanto as empresas já estariam trabalhando nas redes para unir-se nos momentos da tomada de decisão; quanto os usuários, através de mecanismos de auto-organização, auto-coordenação e a livre troca de saber, estariam produzindo um mercado para um emaranhado de produtos e serviços criados a partir da colaboração rizomática sem a necessidade de uma intermediação do mercado.

O que é o toque de recolher na França 20 novembro, 2005

Posted by Fabio Malini in Motim francês.
1 comment so far

Segundo o relato do brasileiro e blogueiro André Belo, direto de Paris, a França acabou de inventar uma nova modalidade de segurança pública: a prevenção social policial. Seria a solução política inventada pelo governo. Ele conta o que é o toque de recolher:

"A lei que foi aprovada terça-feira pelo parlamento francês reutiliza pela segunda vez a lei do estado de emergência criada durante a guerra colonial francesa da Argélia (na verdade, a lei fora já reutilizada uma primeira vez pela V República por um governo socialista, em 1985, para combater as revoltas na Nova Caledónia). Ela torna possível ao governo, entre outras coisas: impedir a circulação de pessoas e viaturas em certos locais; fechar temporariamente salas de espectáculo, bares e locais de reunião, e impedir reuniões "cuja natureza seja provocar ou manter a desordem"; fazer rusgas em casas particulares de dia ou de noite; e, por fim, tomar medidas para garantir o "controlo da imprensa", rádio, cinema e teatro. Isto é o que a lei diz, e é isto que o governo francês passa agora a poder fazer a coberto dela."

França, Subúrbio e controle da web 20 novembro, 2005

Posted by Fabio Malini in Motim francês.
2 comments

Li, no blog Nuevo digital, que o governo francês utilizou estratégia de controle da web para obter apoio às medidas do Ministro do Interior, Nicolas Sarkozy (que chamou os suburbanos de "escória").

A estratégia foi simples. Um partido da base do governo pagou ao "Google Adword" pelos resultados de busca de determinadas palavras ou termos, redirecionando-os para páginas de apoio à política de Sarkozy. Ou seja, se eu entrasse no google e digitasse a palavra banlieue (subúrbio), as páginas encontradas seriam aquelas onde apareceriam Sarkozy.

É a contra-ofensiva francesa aos blogs e as mensagens via SMS dos jovens do subúrbio francês.

Sociedade do controle. Total!

Relato sem juízo de valor 18 novembro, 2005

Posted by Fabio Malini in Motim francês.
add a comment

Segundo os relatos de agência de notícia, o motim francês acabou. Mas não a questão social. O indicador do movimento foi sempre a queima de carro. E segundo o Le Monde, a queima já chegou ao patamar normal de todas as noites anteriores à rebelião francesa.

Bom… eu continuo buscando informações nos blogs. Vai mais uma:

Um relato de Rui Cruado Silva, blogueiro, sobre o que é viver e conviver com o subúrbio francês. É honesto, embora tenha uma visão que criminaliza quem mora no subúrbio. Li esse relato e outros no blog Esquerda Republicana, de Ricardo Alves.

Uma passagem para quem ver o confronto francês pelo ótica exclusiva dos jovens vai uma boa descrição do outro lado:

"[Em] Cronenburg [bairro em Estrassbourg] tinha um sector mais pesado, o sector dos guetos de habitação social construídos nos anos 60 com a melhor das intenções, mas que só serviram para juntar pessoas com os mesmos problemas, tendo contribuído para amplificar aquilo que de pior existe na sociedade, e em particular entre os grupos imigrantes. Nesse sector chamado ironicamente de Cité Nucleaire, onde se situava o CNRS, o meu local de trabalho, havia diariamente ocorrências violentas, que poderiam ser muito violentas de quando em vez. Lembro-me de um velhinho barbaramente atropelado por um BMW descapotável conduzido por jovens violentos, lembro-me de um colega que foi espancado quase até à morte por ter saído do seu carro para afastar um caixote de lixo em chamas que lhe barrava a estrada e lembro-me do carro que foi lançado em chamas contra a loja de atendimento da assistência social. No Natal e na Passagem de Ano era certo que se queimavam por ali para cima de 20 carros de pessoas humildes que juntavam as suas economias de anos para comprar uma bagnole em segunda mão."

O Jornalismo e a Crise francesa 14 novembro, 2005

Posted by Fabio Malini in Motim francês.
2 comments

O artigo no Le Monde, denominado La crise des banlieues interpelle la pratique du journalisme, mostra as razões pelas quais o jornalismo vem tendo dificuldades de trabalho nas periferias de Paris.

A imprensa tem tido dificuldade de fazer, in locus, a cobertura do motim francês. Por um lado, veículos da imprensa foram interpelados e incediados. Câmeramans tem seu material apreendido pelos jovens e uma equipe de TV foi recebida a bala. Teve uma caso do jornalista pedir ao policial para, com câmera escondida, registrar os conflitos na periferia. Por um outro lado, os jornalistas franceses tomam furos de jornalistas franceses de origem imigrante, pois estes conseguem compreender os ritos e a linguagem do subúrbio, pois vieram de lá. Ao mesmo tempo, muitas fontes, de dentro do conflito, só dão depoimentos se forem pagas. "O problema dos jornalistas é que, sua formação profissional, vê a periferia como um jardim zoológico", diz o secretário nacional do PArtido Socialistas e ex-diretor nacional de direitos humanos.

Um outro ponto do artigo questiona a demarcação do valor-notícia na imprensa francesa. Isto porque a cobertura jornalística tem dado a mesma notícia sobre o evento: X carros são queimados na noite anterior. É todo dia isto. Contudo, essa visão esteriotipada do motim teve uma efeito reverso. Começou haver competição entre as cidades para ver quem queimava mais carros e assim saía na mídia. A mídia notou que estava sendo usada pelos manifestantes e começou a não mais dar o saldo dos carros queimados por cidade, para acabar com a competição entre elas. 'Era uma forma de evitar o efeito hit parade, que tinha a mídia própria criada", aponta o artigo do Le Monde.

“O motim francês não é o novo maio de 68” 13 novembro, 2005

Posted by Fabio Malini in Motim francês.
1 comment so far

Em seu blog, Mehmet Koksal (jornalista belga de origem muçulmana que foi a Paris cobrir o motim para o seu blog) reproduziu um relato tenso entre jornalistas franceses e estrangeiros.

Após entrar nas periferias e conversar com os jovens – entrada facilitada pela sua origem imigrante – o blogueiro foi jantar no bairro chique francês com correspondentes estrangeiros. A conversa entre eles foi uma amostra do porquê a cobertura internacional está tão anti-imigrante e anti-islã. Sintetizando o que Koksal escreveu:

1. A imprensa optou por uma condenação do imigrante e do Islã como culpados. Isto porque a maioria dos jornalistas concorda que o islamismo prega a violência como prática social, logo, se a maioria dos amotinados são de origem islâmica, são violentos. Koksal responde o seguinte aos jornalistas: “Não é o Islã que tem um problema com a França, mas a França que tem um problema com o Islã. A República recusa tratar equitativamente os diferentes credos e provoca frequentemente os muçulmanos adoptando medidas de excepção”.

2. O motim francês não é um novo maio de 68. É a mania da França em teorizar tudo e esquecer do problema real. Em 68, os jovens eram filhos da classe média, filhos da Era de Ouro do capitalismo. Hoje, os jovens são franceses filhos da política de imigração frances pós-Guerra. “Eles são filhos do Pokemon e do Playstation”. Não adianta querer encontrar uma formulação teórica, política e social desse movimentos. Os jovens não formularam um discurso do que querem.

3. Um grupo de jornalistas perguntou ao Koksal: é possível ocorrer motins nas periferias belgas? Ele respondeu que a periferia na Bélgica é ocupada por burgueses franceses e holandeses. “Imagina a pauta de reivindicação: queremos fazer uma piscina no jardim ou uma troisième 4×4…”. A sala gargalhou.

4. Os jornalistas praticam a islãfobia. Muitos concordam cinicamente. Um jornalista italiano fala que o islã é um dos maiores desafios para os países europeus. Outros discordam. Pensam que não é o jornalismo que pratica a islãfobia, mas os governantes. Cita o caso de Villepin que, ao estourar os motins, convocou o líder religioso do Islã na França para pedir calma aos “rebelados”. O jornalismo, portanto, só descreve o fato. E o fato é: o governo francês que pratica a islãfobia. “Nós só relatamos”. Que cinismo!

5. Conclusão do jornalista belga na sua visita a PAris: os excluídos franceses vivem ao lado da França, “desde que a França os deixe de lado”.

6. Conclusão II: os franceses não sabem falar da sua exclusão, porque só gostam de falar bem de si, do tipo: Vive la Republique”

Sem tempo para a mídia 13 novembro, 2005

Posted by Fabio Malini in Motim francês.
1 comment so far

Mehmet Koksal, em seu blog, sobre o que se passa nas periferias, conta que, em conversa com os jovens que participam do motim francês, eles relataram que um jornalista francês fez a seguinte pergunta inteligente a eles: por que queimam carros à noite e não pela manhã? Os meninos: porque de manhã estamos dormindo.

Bela piada. Korksal conta essa anedota (real) para falar que o tempo do motim não é o tempo das redações midiáticas francesas, o que vem dando em uma cobertura racista e incompleta. De certo, há um problema sobre imigração pra ser resolvida, como quer a mídia. Mas este é um problema francês e não dos países dos imigrados, como quer também a mídia e o governo. Novamente: os jovens da periferia são franceses.

Vai mais um relato blogueiro de dentro:

Faz relativamente frio esta noite e os jovens passam o seu tempo a contar as histórias engraçadas sobre os jornalistas que estão nos subúrbios. Lá (na periferia) tem um que me interrogava porque automóveis queimados durante a noite? Disse-lhe que dormia até o meio-dia. O que que há? Queres que a gente acorde de manhã? (risos). Sei que os fatos que a imprensa, mas nosso horário não corresponde com o dos meios de comunicação

Em Paris nada mudou 13 novembro, 2005

Posted by Fabio Malini in Motim francês.
add a comment

Em matéria sobre os subúrbios franceses, Korksal mostra que na cidade de Paris nada mudou. Tudo está calmo. A única mudança é os helicopteros que sobrevoam a cidade em direção ao subúrbio. É claro (ou obscuro) a dupla visão da França, de Paris. Korksal relata que assaltos em estações de trem do subúrbio são comuns. Até os ladrões já são conhecidos. Só que não há política de segurança para esses locais. "Laissez-faire, laissez passer", digo eu.

O jornalista ainda declara, em seu blog, que, ao sair de Paris e voltar à noite para Saint-Dennis, tudo também está calmo, contudo, é seguido por um helicóptero, ao chegar na periferia.

Brincadeira!!!!

Testemunho em blogs 11 novembro, 2005

Posted by Fabio Malini in Motim francês.
4 comments

Pelo que se vê a população vive uma situação de não poder dormir com os barulhos dos confrontos franceses. É uma situação em que não se sabe difrenciar o que é sonho, consciência ou imaginação. Segundo um relato de dentro do conflito (desculpas pela tradução):

Aqui, não se vê os dias passarem, as noites não se contam mais. Há barulhos de automóveis, de pessoas que urram, gritam, que se insultam. Às vezes ouve-se gargalhadas ou barulhos de crianças. Ouve-se as sirenes dos automóveis de polícias ou os bombeiros, barulho das freiadas dos carros ou das prisões que ocorrem. Quando a noite definitivamente tem-se instalado e a calma das 2 horas da manhã por último tem-se imposto, as janelas abertas e as cortinas tiradas, os néons da viatura adentram na parte inferior da rua , começa o seu jogo de luz, como uma mão tensa que impedir-nos -ia deixar-nos ir num sono definitivo. Como uma porta entre o real e o sonho, a consciência e a imaginação, a vida e a morte. Boas-vindas ao meu mundo.

Liberdade, igualdade e fraternidade 11 novembro, 2005

Posted by Fabio Malini in Motim francês.
add a comment

Para quem quer ouvir as vozes que vêm do subúrbio francês, contado pelo nacionalismo, é só dá um pulo em um blog chamado Liberté – Egalité – Fraternité

Jacques Lagan é o nome do blogueiro, que defende os valores franceses contra a ralém dos outros franceses (os do subúrbio). Declara que o motim é feito por jovens ligados ao tráfico, que não quer a Polícia entrandos nos territórios marginais que são controlados pelo tráfico.

Tenha dó.